EMPRÉSTIMOS, SUA EMPRESA ESTÁ PRECISANDO DE CAPITAL DE GIRO?

SAIBA COMO FUNCIONA E ANALISE A MELHOR OPÇÃO!


Por muitos anos, a concentração bancária fez com que a taxa de juros de financiamentos do empresário brasileiro chegasse a níveis altos.

Com esse guia você será capaz de navegar nesse novo cenário e reduzir as taxas de juros que paga ou, pelo menos, entender a lógica que rege esse novo mercado, para conseguir as melhores condições, quando precisar.


O QUE DEFINE A MINHA TAXA DE JUROS?


Basicamente duas coisas definem sua taxa de juros: comodidade e risco.

Comodidade As modalidades de financiamento com as maiores taxas são as mais cômodas, como o cheque especial e cartão de crédito. Sem assinar um papel ou pedir autorização, você terá acesso ao financiamento pagando juros de 10-12% ao mês. É praticamente uma armadilha que muita gente cai com frequência.

Para conseguir taxas mais baixas você terá que se mexer.

Risco O risco de pequenas e médias empresas é avaliado basicamente de duas formas. A primeira identifica maus pagadores, ou seja, se sua empresa, ou algum dos seus sócios, tem algum apontamento no Serasa ou SPC. Nesse caso, você dificilmente terá seu pedido aprovado. A segunda forma avalia os ativos que você pode dar em garantia.

Garantias Quanto melhor e mais líquido o ativo, menor a taxa de juros. Caso você não pague o valor devido, o seu ativo será executado por quem te emprestou o dinheiro.

Não ter ativos para dar em garantia não é o fim da linha. Hoje em dia também é possível conseguir empréstimos sem garantia, mas o valor geralmente é menor e as taxas de juros maiores.


QUE MODALIDADES DE FINANCIAMENTO EXISTEM HOJE?


FINANCIAMENTOS SEM GARANTIA

Cheque especial Modalidade mais comum de financiamento. Muitas empresas já tem um valor pré-aprovado junto ao seu banco. Neste caso não precisa fazer nada, basta entrar no negativo na sua conta corrente que você começa a ser cobrado taxas de juros altíssimas. Fuja do cheque especial com todas as suas forças.


Valor: depende do volume transacionado do banco e do seu histórico de relacionamento Juros: De 9% a 16% ao mês Quando usar: Somente em último caso



Cartão de crédito É razoavelmente difícil conseguir cartão de crédito para empresas no Brasil. A maior parte dos empresários financia seu negócio com seu cartão de crédito pessoal. Modalidade prática de financiamento, mas caríssima: FUJA.


Valor: Depende da sua renda e do seu histórico de relacionamento Juros: De 6% a 16% ao mês Quando usar: Somente em último caso


Financiamento empresarial Existem cada vez mais alternativas no mercado para quem busca empréstimos empresariais sem garantia. Grande parte das alternativas oferecem um processo de avaliação e aprovação online e pouco burocrático. Caso você não tenha garantias, essa é, com certeza, uma alternativa mais vantajosa do que o cheque especial e o cartão de crédito.


Juros: De 1,99% a 6,99% ao mês Quando usar: Sempre que tiver empréstimos mais caros (neste caso, faz sentido pegar um empréstimo empresarial mais barato para pagar o cheque especial ou o cartão de crédito) ou quando a passar por momentos temporários de restrição de caixa no seu negócio.


FINANCIAMENTOS COM GARANTIA

Antecipação de recebível Pouca gente sabe, mas os valores que você tem a receber de clientes podem ser utilizados para reduzir os juros que você paga. Existem basicamente três formas de antecipar recebíveis. A mais simples e utilizada por varejistas consiste em antecipar os valores sobre as vendas feitas por cartão de crédito. Além disso, é possível antecipar recebíveis já performados (fruto da venda de produtos já entregues ou serviços já prestados) ou recebíveis não performados (fruto de contratos ainda não concluídos.


Juros: A partir de 2,99% ao mês. Quando usar: Sempre que precisar “trocar” dívidas mais caras ou quando passar por momentos temporários de restrição de caixa no seu negócio.


Refinanciamento de automóvel Essa é uma modalidade de financiamento pessoal cujos recursos são frequentemente utilizados para financiar empresas. A liquidez do veículo torna essa modalidade de financiamento uma das mais atraentes para quem busca de R$ 5 mil a R$ 150 mil.


Juros: A partir de 1,99% ao mês. Quando usar: Sempre que precisar “trocar” dívidas mais caras ou quando passar por momentos temporários de restrição de caixa no seu negócio. As taxas mais palatáveis podem justificar a contratação do empréstimo por um período mais longo. Neste caso é recomendável fazer uma análise para entender se o retorno esperado do projeto é superior ao custo do empréstimo.


Refinanciamento de imóvel Essa é a modalidade de financiamento mais “barata” que existe no mercado hoje em dia e tem as mesmas características do “Refinanciamento de automóvel”. Geralmente gera empréstimos de R$ 30 mil a R$ 3 milhões.

Devido ao seu custo relativamente baixo, é frequentemente utilizado por empresários que querem tirar projetos do papel e não possuem todo o capital para fazer isso.

Juros: A partir de 0,99% ao mês. Quando usar: Sempre que precisar “trocar” dívidas mais caras ou quando passar por momentos temporários de restrição de caixa no seu negócio. As taxas mais palatáveis podem justificar a contratação do empréstimo por um período mais longo. Neste caso é recomendável fazer uma análise para entender se o retorno esperado do projeto é superior ao custo do empréstimo.


5 visualizações0 comentário