CUSTOS NA ATIVIDADE INDUSTRIAL


A contabilidade industrial, também chamada de contabilidade analítica ou contabilidade de custos, consiste no processo de identificar e tratar custos de produção, que contribuam para o produto final de uma organização.

O principal objetivo financeiro-contábil de uma empresa, fábrica, indústria seja qual for o seu ramo, é o lucro, e a Contabilidade de Custos diz ao empresário e a todos os seus administradores, que trabalham buscando este lucro, o que é preciso investir para se produzir determinado produto. E por quanto ele poderá ser vendido para se obter algum lucro e ainda, qual será este lucro alcançado ao final do processo. A contabilidade de custos, fundamental para a indústria, é quem pode dizer se está compensando produzir, e o que é preciso fazer no caso de não estar obtendo lucro suficientemente aceitável pelos investidores.

Segundo o autor Osni Moura Ribeiro, na prática, o objetivo da Contabilidade de Custos aqui é encontrar o CPP (Custo de Produção do Período) que é composto por três elementos:

Materiais Diretos – todo material integrado diretamente ao produto acabado. Exemplo: matéria prima, insumos secundários material de embalagem. Estes são fáceis de calcular.

Mão de Obra Direta (MOD) – todo custo com material humano utilizado diretamente na produção. Exemplo: salários, encargos, etc…

Custo Indireto de Fabricação (CIF) – são os gastos que interferem na fabricação de forma indireta e que são difíceis de calcular. Exemplo: materiais e equipamentos indiretos, mão de obra indireta, aluguel, energia, depreciação de máquinas, etc…


Dada a tendência de terceirização de atividades fabris, devemos considerar a categoria de custos relativos a transformação dos materiais com terceiros, usualmente denominados de “serviços de terceiros”. Assim, por exemplo, se determinada matéria prima é adquirida ao custo unitário de R$ 5,00, porém a mesma sofreu um processo de transformação por terceiros, ao custo de R$ 2,00/unitário, então o custo total desta matéria prima será de R$ 7,00/unitário.


Ainda, segundo o autor, neste contexto de Contabilidade de Custos, devemos considerar a conta “Gastos Gerais e Administrativos, quando não claramente relacionados com a produção, não são incorporados ao custo dos produtos. Também não o serão: despesas financeiras (mesmo aquelas relacionadas a financiamento de bens da produção), gastos extraordinários (como perdas decorrentes de roubos, enchentes, incêndios, etc.) e despesas com vendas (comissões sobre vendas, salários e encargos do pessoal de vendas, etc.).


Toda indústria precisa pensar reduzir custos para, consequentemente, ampliar suas margens de lucro. Quando a empresa pratica esse tipo de contabilidade, fica mais fácil identificar pontos de cortes de despesas, assim como oportunidades para realizar ajustes e produzir mais com o mesmo investimento. É função da contabilidade industrial orientar e controlar essas variáveis e ainda, municiar os gestores para as tomadas de decisão mais assertivas.

Uma dica muito valiosa é: conte com especialistas no assunto. Isso fará toda a diferença. Fale com os especialistas em Contabilidade Industrial da Controller e descubra o que podemos fazer pelo sucesso da sua indústria e do seu negócio.

32 visualizações

Precisa de ajuda? Consulte nossos especialistas de plantão via whatsapp.

  • Branca ícone do YouTube
92 - Logotipo.png